DestaqueInternacional

Com 99% das urnas apuradas, saiba como está o Parlamento de Portugal

Coligação de centro-direita conquistou 79 das 230 cadeiras; votos de portugueses no exterior ainda não foram contabilizados

A AD (Aliança Democrática), coligação de centro-direita formada por PSD (Partido Social Democrata), CDS-PP (Centro Democrático Social – Partido Popular) e PPM (Partido Popular Monárquico), lidera com uma vantagem estreita as eleições legislativas de Portugal, realizadas no domingo (10.mar.2024).

Com 99,01% das urnas apuradas até às 15h25 (horário de Brasília) desta 2ª feira (11.mar), a coligação conquistou 79 cadeiras na Assembleia da República. A principal legenda adversária, o esquerdista PS (Partido Socialista), possui com 77 assentos. Os dados são da SGMAI (Secretaria Geral do Ministério da Administração Interna) de Portugal.Formulário de cadastroreceba alertas grátis do Poder360

Ainda é preciso contabilizar os votos dos portugueses que moram fora do país, o que deve ser finalizado apenas na próxima semana. Os emigrantes são responsáveis pela eleição de 4 deputados.

No entanto, o líder da AD, Luís Montenegro, já falou em vitória. “Parece incontornável que a Aliança Democrática venceu as eleições e que o Partido Socialista perdeu”, declarou a apoiadores. Pedro Nuno Santos, secretário-geral do PS, admitiu a derrota e felicitou a adversário.

Montenegro disse na madrugada desta 2ª fera (11.mar) que espera que o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, convide a AD a formar governo. Também reafirmou seu compromisso de não se coligar com o Chega, partido de direita liderado por André Ventura. A sigla elegeu 1 deputado no ano em que foi criado, 2019. Nas eleições de 2022, passou a ter 12 assentos na Assembleia da República. No pleito de domingo (10.mar), o Chega elegeu 48 deputados.

Pedro Nuno Santos, líder do PS, afirmou que a sigla “será oposição”. Ele disse: “Apesar da diferença tangencial entre nós e a AD, e sem desrespeitar os votos e os eleitores dos círculos eleitorais das nossas comunidades, tudo indica que o resultado não permitirá ao PS ser o partido mais votado. Quero, por isso, dar os parabéns e felicitar a AD pela vitória nestas eleições”.

OPOSIÇÃO BRASILEIRA COMEMORA

Parlamentares da oposição brasileira comemoraram o resultado das eleições em Portugal. “Argentina. Portugal. Em breve, EUA e Brasil”, escreveu o deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG) em seu perfil no X (ex-Twitter).

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) declarou na rede social: “Apoiamos por convicção, princípio, valores, não por moda ou momento político”. O deputado também deu parabéns ao Partido Chega e seu líder André Ventura. Os deputados Ricardo Salles (PL-SP) e Carlos Jordy (PL-RJ) também comemoraram o resultado em Portugal.

ELEIÇÃO EM PORTUGAL

Diferentemente do Brasil, o país europeu vive sob um regime semipresidencialista, no qual o primeiro-ministro é o chefe do Executivo e o presidente é o chefe de Estado.

O premiê português é nomeado pelo presidente depois de consulta aos partidos da Assembleia. O chefe de Estado, tradicionalmente, nomeia o líder da legenda ou coligação que alcançou a maioria nas eleições legislativas. No pleito, são 230 deputados eleitos para um mandato de 4 anos.

Os eleitores a partir de 18 anos votam em partidos ou coligações, não em um candidato. O voto não é obrigatório no país.

A eleição de domingo (10.mar) foi antecipada para escolher o substituto do ex-primeiro-ministro António Costa, do PS. Ele estava no poder desde 2015 e renunciou em novembro de 2023 depois de ser envolvido em uma investigação do Ministério Público sobre projetos irregulares de lítio e hidrogênio verde.

Com a saída de Costa, o presidente Marcelo Rebelo de Sousa dissolveu a Assembleia da República em 15 de janeiro e convocou novas eleições.

Compartilhar: