DestaqueSaúde

Reconfiguração do Cérebro Humano Após os 40 Anos: O Que Sabemos

À medida que envelhecemos, nosso corpo passa por diversas mudanças físicas, mas o cérebro segue um padrão um pouco diferente. Entre os 40 e 50 anos, uma fase conhecida como “quinta década”, inicia-se um processo de reconfiguração interna do cérebro, ao invés de uma deterioração progressiva como em outros órgãos do corpo. Essa conclusão é resultado de uma pesquisa conduzida por uma equipe da Universidade Monash, na Austrália, que examinou mais de 150 estudos sobre o envelhecimento do cérebro.

A reconfiguração faz com que o cérebro perca habilidades para aperfeiçoar suas funções mais básicas© Getty Images

Segundo a neurocientista Sharna Jamadar, da Universidade Monash, “o cérebro, embora represente apenas 2% do nosso corpo, consome cerca de 20% da glicose que ingerimos. Com o avançar da idade, no entanto, sua capacidade de absorver esse nutriente diminui”. Ela explica que “o que o cérebro faz então é uma espécie de reengenharia interna para otimizar a utilização dos nutrientes disponíveis”.

Essa reconfiguração é considerada radical e resulta na integração mais completa das diferentes redes de neurônios, o que afeta os processos cognitivos. Surpreendentemente, em alguns casos estudados, essa reconfiguração parece conferir uma espécie de resistência ao envelhecimento cerebral.

A partir dos 40 anos, os circuitos neurais se conectam de forma diferente, tornando o pensamento menos flexível e reduzindo o raciocínio verbal e numérico. No entanto, essas mudanças também podem nos ajudar a resistir aos efeitos do envelhecimento cerebral, especialmente em tarefas que dependem de processos automáticos ou muito praticados ao longo da vida, como a linguagem.

Para manter o cérebro saudável à medida que envelhecemos, é recomendável seguir uma dieta saudável, rica em alimentos como nozes e abacate, que fornecem nutrientes essenciais para o funcionamento cerebral. Além disso, exercícios mentais, como jogos de memória e palavras cruzadas, podem ajudar a manter as redes neurais ativas e saudáveis, mesmo com as mudanças que ocorrem com o passar dos anos.

Fonte: Adaptação de BBC News Mundo

Compartilhar: