DestaqueInternacional

Papa Francisco Inova na Celebração da Páscoa, Lava Pés Apenas de Mulheres

Em uma marcante quebra de tradição, o Papa Francisco protagonizou um gesto simbólico ao lavar os pés de doze mulheres em uma prisão de Roma durante a celebração da Páscoa. Este ato, que ressalta a humildade, marca a primeira vez em que o pontífice realiza a lavagem dos pés exclusivamente em mulheres durante o serviço religioso especial.

O líder da Igreja Católica, de 87 anos, liderou a cerimônia na prisão de Rebibbia, lavando os pés das mulheres, muitas das quais estavam emocionadas e em lágrimas durante o ritual. Este gesto, que replica a lavagem dos pés de seus discípulos por Jesus Cristo na noite anterior à sua crucificação, é tradicionalmente realizado na quinta-feira que antecede a Páscoa.

Desde que assumiu o papado, Francisco tem adotado uma abordagem inovadora ao realizar a cerimônia fora do Vaticano, optando por lavar os pés de prisioneiros, refugiados e pessoas com deficiência. Embora ao longo dos anos ele já tenha incluído mulheres e muçulmanos no ritual, esta é a primeira vez que o papa lava os pés exclusivamente de mulheres durante a celebração, de acordo com especialistas religiosos.

O evento ocorreu na prisão feminina de Roma, onde o papa entrou pela primeira vez. A instituição abriga cerca de 360 prisioneiras e uma criança, conforme relatado por Nadia Fontana, diretora da prisão.

Desde o início de seu pontificado, Francisco tem buscado incluir oficialmente as mulheres na cerimônia, enfrentando resistência dentro do Vaticano. Seu antecessor, Bento XVI, limitava-se a lavar os pés de homens, mudando posteriormente para sacerdotes. Esta ação reflete a abordagem progressista do Papa Francisco em relação aos papas anteriores.

Nos últimos meses, o pontífice tem enfrentado problemas de saúde, tendo sido internado para testes em fevereiro. Durante o inverno, enfrentou episódios de bronquite, resfriado e gripe, levando seus assessores a lerem seus discursos em seu lugar.

(Fonte: Adaptado de Internacional, CNN)

Compartilhar: