Pequim rejeitou as acusações de alguns políticos dos EUA sobre o “excesso de capacidade” industrial da China na sexta-feira, afirmando que por trás da teoria exagerada havia a intenção de conter o desenvolvimento industrial da segunda maior economia do mundo.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Lin Jian, disse em uma coletiva de imprensa na sexta-feira que as alegações de Washington sobre o “excesso de capacidade” da China visam “assegurar uma posição competitiva e vantagem de mercado mais vantajosas para si próprio, representando uma coerção econômica flagrante e intimidação”.

O comentário veio depois que a secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, manifestou preocupações sobre o aumento dos investimentos da China em novas indústrias, como veículos elétricos, baterias de íon de lítio e painéis solares.

Anteriormente, ela afirmou que a política industrial da China estava criando um investimento excessivo substancial que “prejudica as empresas e trabalhadores americanos, bem como empresas e trabalhadores ao redor do mundo”.

Lin respondeu questionando se as exportações dos EUA de 80 por cento de seus chips especialmente de alta qualidade, bem como suas substanciais exportações de carne suína e produtos agrícolas, também poderiam ser chamadas de “excesso de capacidade”.

A proporção das exportações de veículos de energia nova da China em relação à produção é muito menor do que a da Alemanha, Japão e Coreia do Sul, e não constitui “excesso de capacidade” ou dumping no exterior, acrescentou ele.

De acordo com dados da Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis, as exportações de veículos de energia nova da China no primeiro trimestre atingiram 307.000 unidades, um aumento de 23,8 por cento ano a ano. Enquanto isso, o volume de produção de NEVs do país atingiu 1,65 milhão de unidades durante o período.

O porta-voz disse que a força da indústria de energia nova da China foi conquistada por meio de conhecimento genuíno, inovação tecnológica contínua e amplo mercado de competição.

“Prescrever medicamentos para os outros não cura as próprias doenças”, disse Lin.

Ele continuou dizendo que usar “excesso de capacidade” como desculpa para medidas de proteção comercial não resolverá os próprios problemas.

“Em vez disso, prejudicará a estabilidade das cadeias de produção e abastecimento globais, prejudicará o crescimento de indústrias emergentes e minará os esforços conjuntos da comunidade internacional para enfrentar as mudanças climáticas e promover o desenvolvimento verde”, disse Lin.

“Instamos o lado dos EUA a abandonar sua mentalidade hegemônica, manter uma atitude aberta, aderir à competição justa e seguir os princípios da economia de mercado e das regras do comércio internacional para criar um ambiente de cooperação comercial genuinamente internacional, orientado para o mercado e respeitador da lei.”

As acusações de políticos ocidentais sobre o “excesso de capacidade” da China em tecnologia verde e possíveis fricções comerciais no setor já alimentaram preocupações sobre impactos na transição global para o verde.

David Fickling, da Bloomberg, escreveu em um artigo no início deste mês que os EUA estão recorrendo à mesma política fracassada de uma década atrás sobre a indústria siderúrgica da China “para apoiar barreiras muito mais prejudiciais à tecnologia limpa, retardando nossa capacidade de deter o aumento da temperatura global”.

“O que está sendo construído não é um excesso de capacidade, mas apenas a capacidade básica de que o mundo precisa se quiser construir a economia de baixas emissões necessária para levar o planeta a zero líquido”, escreveu ele, referindo-se ao impulso da China para expandir o setor verde.

Fonte: Adaptado do artigo original em inglês da ECNS

Compartilhar: