CiênciasDestaqueSaúde

Neurocientista Defende que o Sonho Tem Um Papel Mais Importante Durante o Sono Do Que Imaginamos

O papel fundamental dos sonhos durante o sono: uma nova perspectiva

Ao expor o cérebro humano, sua superfície ondulante e opalescente, marcada por artérias e veias, é revelada. Basta aplicar a mínima corrente elétrica em qualquer parte dele com uma sonda semelhante a uma caneta para ativar os neurônios naquela região. Os neurocirurgiões utilizam essa técnica durante certos tipos de cirurgias cerebrais para localizar a origem de convulsões ou evitar danos a tecidos vitais.

Enquanto o procedimento está em andamento, o paciente está acordado, mas não sente nada, já que o cérebro não possui nociceptores, ou sensores de dor. Movendo a sonda de um ponto a outro, é possível revelar muito. Pode-se desencadear odores, memórias de infância – até mesmo pesadelos. Toque uma parte específica do cérebro com a sonda: pesadelo ativado. Retire a sonda: pesadelo desligado. Dessa forma, testemunhei em primeira mão como os sonhos são verdadeiramente parte da arquitetura neural. Eles estão profundamente enraizados em nossos corpos.

Também observei o poder dos sonhos em persistir diante de lesões terríveis. Vi como crianças que tiveram metade de seus cérebros removidos como último recurso para tratar convulsões intratáveis ainda relatam sonhar. Percebi que praticamente todos nós sonhamos, embora muitas vezes não os lembremos. E, é claro, pessoas cegas de nascença sonham. Elas compensam a falta de conteúdo visual experimentando mais sons, toques, sabores e odores do que pessoas com visão.

…sonhar não é um extra opcional, uma espécie de decoração em cima do sério assunto do sono. Não, precisamos sonhar.

Pesquisas recentes sugerem que os sonhos podem desempenhar um papel ainda maior em nosso sono do que se pensava anteriormente. Durante décadas, os cientistas que estudavam os sonhos se concentraram apenas em uma fase do sono, o chamado sono de movimento rápido dos olhos, ou REM. Eles concluíram que passamos cerca de duas horas por noite sonhando, mais ou menos. Se fizermos as contas, isso equivale a cerca de um 12º de nossas vidas imersas em sonhos, um mês a cada ano. Isso representaria um enorme compromisso com os sonhos. Mas descobriu-se que até isso pode ser uma subestimação grosseira. Quando os pesquisadores de laboratórios de sono acordam os participantes do estudo em diferentes momentos – não apenas durante o sono REM – descobrem que é possível sonhar em qualquer estágio. É concebível que passemos quase um terço de nossas vidas sonhando.

Os sonhos são o produto de mudanças profundas que o cérebro passa automaticamente a cada noite. A rede racional e executiva no cérebro é desligada, e as partes imaginativas, visuais e emocionais são intensificadas. Como resultado, a mente onírica tem total liberdade de uma maneira que não tem paralelo em nossa vida desperta. Não poderíamos pensar dessa maneira quando estamos acordados, mesmo que tentássemos.

Longe de estar inativo, o cérebro adormecido queima glicose e pulsa com eletricidade para produzir sonhos. Mas por que dedicar esse tipo de energia à criação de experiências noturnas altamente imaginativas e emocionais para uma audiência de um só – especialmente quando muitas vezes parecem sem sentido? Estou confiante de que não gastaríamos os recursos necessários para sonhar, deixando-nos mais vulneráveis a predadores, a menos que os sonhos fossem uma característica vital de nossas mentes.

Existem várias teorias que tentam explicar os benefícios evolutivos dos sonhos. Estes incluem manter nossas mentes ágeis enquanto dormimos, nos tornar mais intuitivos, nos fornecer cenários absurdos para que possamos entender melhor o cotidiano, servir como terapeuta noturno e ensaiar ameaças para que estejamos melhor preparados.

Acredito que pode haver alguma verdade em todas essas teorias. À medida que nossos cérebros evoluíram ao longo de milhões de anos, parece razoável que o papel dos sonhos tenha se expandido e evoluído com eles. Não tentamos encontrar um único benefício evolutivo para o pensamento consciente. Por que deveríamos tentar limitar o propósito dos sonhos?

Durante meu treinamento, passei algum tempo em cirurgia de transplante. Quando colocamos corações e pulmões, rins e fígados, nunca conectamos os nervos. Isso sugere para mim que não é tanto o corpo que precisa dormir, mas o cérebro. Na verdade, o cérebro onírico desliga o corpo por meio de uma forma de paralisia química, liberando-se para experimentar completamente o sonho sem arriscar lesões corporais agindo durante o sono.

O que devemos concluir disso tudo? Basicamente, que sonhar não é um extra opcional, uma espécie de decoração em cima do sério assunto do sono. Não, precisamos sonhar. Se estamos privados de sono, a primeira coisa que recuperamos é o sonho. Passe uma noite inteira acordado, como frequentemente fiz durante o treinamento, e a próxima noite de sono explode em sonhos vívidos, REM, em vez de seguir o ciclo de sono normal de 90 minutos. E se você teve sono suficiente, mas está privado de sonhos (algo apenas possível por causa das intervenções feitas em um laboratório de sono), você imediatamente começa a sonhar assim que adormece novamente.

Mesmo na total ausência de sono, sonhos vívidos podem surgir. Entre pessoas com insônia familiar fatal, uma doença genética rara e letal que torna o sono impossível, a necessidade é tão forte que os sonhos escapam de seus confins normais, vazando para a vida desperta.

Há tanto foco nos dias de hoje nos benefícios do sono para nossa saúde mental e física. Isso é totalmente justificado. Mas, dadas as muitas vantagens potenciais dos sonhos para nossa vida desperta, talvez não seja o sono que realmente precisamos, mas os sonhos.

Rahul Jandial é um neurocientista e autor de “This Is Why You Dream” (Cornerstone).

Fonte: adaptado do artigo original em inglês publicado no The Guardian

Imagem: Ilustração criada pela redação usando o DaLL-e 3

Compartilhar: